Rss Feed

Globos de Ouro 2009

Numa gélida madrugada de lua cheia, 11 de Janeiro de 2009, cerca da uma hora da manhã em Portugal, dirigimo-nos uma vez mais para o aconchegante sofazinho da sala, com o habitual pacote de bolachinhas e o copinho de sumo a acompanhar, e ligámos a televisão para assistir em directo à 66ª Cerimónia dos Globos de Ouro. O sono desvaneceu-se no minuto em que colocámos os olhos na caixinha mágica e começámos a avistar o alinhamento das estrelas no céu de Los Angeles – os nomes sucederam-se na passadeira vermelha, entrando calmamente no Beverly Hilton Hotel, que albergou uma vez mais a cerimónia. E nós entrámos com eles, para não perdermos pitada daquela noite sempre recheada de surpresas e emoções fortes.
Os Globos de Ouro são conhecidos como uma antevisão dos mais altos prémios da indústria de Hollywood, os chamados Óscares da Academia, embora premeiem também as séries ou filmes para televisão, não incluam as categorias técnicas, e nem sempre correspondam às nomeações e vencedores dessa outra Cerimónia. Os galardões são entregues a filmes, séries, realizadores, argumentistas e actores pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, que os escolhe de entre todas as produções estreadas ou continuadas no decurso do ano anterior, neste caso 2008. Há um ano atrás, a greve de argumentistas que assolou a maioria das produções nos Estados Unidos da América provocou a paragem de inúmeras filmagens, e fez com que a Cerimónia dos Globos de Ouro de 2008 fosse substituída por uma simples conferência de imprensa a anunciar os vencedores. Em 2009, tal situação não se repetiu. Os Globos de Ouro foram transmitidos em cerca de 140 países, vistos por milhões de pessoas por todo o mundo, e voltaram a consagrar produções que ficarão, a partir do momento, para a história do cinema.
A série John Adams, produzida por Tom Hanks, foi a série televisiva vencedora da noite, com quatro Globos de Ouro – Melhor Actor Secundário numa série, mini-série ou filme para televisão (Tom Wilkinson); Melhor mini-série ou filme para televisão; Melhor Actriz Principal numa mini-série ou filme para televisão (Laura Linney); e Melhor Actor Principal numa mini-série ou filme para televisão (Paul Giamatti). Seguiu-se a série 30 Rock, com três Globos de Ouro – Melhores Actores Principais numa série de televisão musical ou comédia (Tina Fey e Alec Baldwin) e Melhor série Musical ou Comédia. O prémio de Melhor Série de Drama foi entregue a Mad Men.
Nas categorias relativas ao cinema puro e duro, a actriz britânica Kate Winslet foi a grande vencedora da noite, com a consagração da sua ainda jovem mais muito prometedora carreira. Venceu os dois Globos de Ouro para os quais estava nomeada, Melhor Actriz Secundária, por The Reader, e Melhor Actriz Principal em Drama, por Revolutionary Road, fazendo história ao arrebatar as duas categorias femininas de interpretação, algo que nunca acontecera antes. Ambos os seus discursos foram emocionantes. Mostrou-se quase chocada por ganhar o primeiro prémio, pois não estava “habituada a ganhar estas coisas”, apenas a ser nomeada e perder, e mostrou o Globo de Ouro aos filhos que estavam em casa, dizendo “Look, I’ve won!”. No segundo agradecimento pediu até desculpa às restantes nomeadas, entre as quais Angelina Jolie e Meryl Streep, e agradeceu ao marido e realizador do filme, Sam Mendes, com quem trabalhou pela primeira vez: “Every second working with you makes me love you even more”, e ao amigo e par romântico na tela, pela segunda vez desde Titanic, Leonardo DiCaprio: “I love you with all my heart, for thirteen years…”. É caso para dizer: Finalmente. Já estava na hora de premiar alguém com um talento tão incrível como Kate Winslet. As lágrimas e toda a emoção sentidas por ela trespassaram pela televisão até às nossas casas. Parabéns, Kate.
Em relação aos restantes prémios de interpretação, Sally Hawkins levou para casa o Globo de Ouro de Melhor Actriz em Musical ou Comédia, pelo filme Happy-Go-Lucky; Colin Farrel recebeu o galardão do mesmo prémio masculino, por Em Bruges; e Mickey Rourke, renascido das cinzas, venceu na categoria de Melhor Actor Principal em Drama, pelo filme The Wrestler. Uma palavra especial para Heath Ledger, que recebeu, a título póstumo, o Globo de Ouro de Melhor Actor Secundário: a especulação e a onda de solidariedade geradas à volta do seu precoce falecimento, em Janeiro de 2008, podem ter contribuído para um olhar mais atento à sua última interpretação e talvez a uma falsa preferência pela sua figura no que respeita à entrega de prémios. Mas a verdade é que a sua interpretação do vilão Joker, no filme O Cavaleiro das Trevas, é para lá de fantástica, genial, doentia – é simplesmente fabulosa, e apaga na totalidade qualquer outro actor que tenha participado no filme ou em versões anteriores da saga Batman. O Globo de Ouro é mais do que merecido, só é pena que ele já não esteja entre nós para ver o resultado do filme, receber o prémio e ver consagrada a sua curta mas excelente carreira. Christopher Nolan, realizador do filme, recebeu o galardão em seu nome, numa “mistura de tristeza e orgulho”, afirmando que se vai sentir “eternamente a sua falta” e que Ledger “nunca será esquecido”. A sua memória foi aplaudida emocionadamente de pé, observando-se alguns rostos entristecidos. Onde quer que estejas, Heath, o Globo de Ouro já o tens na mão; agora aguardamos o tão merecido Óscar.
O Melhor filme de Animação foi Wall-E, e o Melhor filme de Língua Estrangeira foi a produção israelita Valsa com Bashir, que superou o aclamado Gomorra de Itália. Bruce Springsteen venceu Melhor Música Original, com a canção The Wrestler, do filme com o mesmo nome. O mais recente filme do realizador Woody Allen, Vicky Cristina Barcelona, foi premiado com o Globo de Ouro de Melhor filme Musical ou Comédia, superando Destruir depois de ler e o afamado Mamma Mia. Apenas Penélope Cruz esteve lá para o receber, já que o restante elenco se encontrava ausente e Woody Allen, uma vez mais, preferiu não dar mostras da sua existência. Diz-se que é por ser tímido e acreditar que realizar filmes se deve fazer por gosto e não para ganhar prémios. De qualquer forma, parabéns Woody. Decerto foi merecido, com os inúmeros filmes excelentes a que já nos habituou.
O outro grande vencedor da noite, a par da grande Kate, foi Slumdog Millionaire, de Danny Boyle, realizador inglês, um filme que conta com um elenco principal constituído por actores indianos totalmente desconhecidos do grande público. Venceu nas quatro categorias para as quais estava nomeado, quatro das mais importantes da Cerimónia: Melhor Argumento (Simon Beaufoy); Melhor Banda Sonora Original (A. R. Rahman); Melhor Realizador (Danny Boyle) e Melhor filme Drama, a par de grandes nomes como O Estranho Caso de Benjamin Button, Frost/Nixon e Revolutionary Road. Essas grandes produções – que encerram nomes como o fantástico David Fincher, Sam Mendes, Ron Howard, e Sidney Pollack e Anthony Minghella como produtores de The Reader, ambos falecidos em 2008 –, acabaram por ser as grandes derrotadas da noite, em especial o aclamado filme de Brad Pitt e Cate Blanchett, que ficou a zeros, e as duas produções de Clint Eastwood neste ano, A Troca e Gran Torino, que não conseguiram premiar Angelina Jolie pelo seu excelente desempenho e o próprio realizador pela banda sonora que compôs. É pena, mas nem todos podem sair vencedores.
Quem também saiu com um Globo de Ouro na mão foi o prestigiado realizador e produtor Steven Spielberg, que recebeu o prémio Cecil B. DeMille das mãos do seu amigo de há quase quarenta anos, Martin Scorcese. Discursou acerca da inspiração que Scorcese fora e ainda é para si, e sobre a primeira vez que viu um filme, curiosamente do próprio Cecil B. DeMille. Foi aplaudido de pé durante alguns minutos, em homenagem à sua longa carreira recheada de sucessos.
A cerimónia acabou por volta das quatro horas da manhã, hora portuguesa. Faltou um apresentador à maneira, que pusesse o pessoal todo a rir e animar um pouco a cerimónia. E os intervalos de dois em dois prémios dão cabo de qualquer cabeça, especialmente daquelas que renunciaram ao sono de modo a poderem acompanhar os Globos de Ouro em directo, tintim por tintim, até ao último segundo de revelação dos prémios mais importantes da noite. Mas as bolachinhas e o sofá fofinho ajudaram um pouco. E no final fica a sensação de que não poderíamos ter estado noutro local que não em frente à televisão, a papar o que acontecia em Beverly Hills entre as maiores estrelas de Hollywwod.
Há inúmeros bons filmes para ver neste início de 2009, e felizmente uma grande parte estreia em Janeiro e Fevereiro, antes da cerimónia dos Óscares da Academia, o que significa que os poderemos ver antes de serem premiados. Para qualquer cinéfilo, os próximos dias 22 vão ser dias especiais: em Janeiro, poderemos verificar os nomeados definitivos para os Óscares – para não relembrar o já referido falecimento de Heath Ledger, também nesse dia –; e em Fevereiro ocorrerá exactamente a 81ª Cerimónia dos Óscares, para ver durante mais uma madrugada sem pregar olho. Aguardemos e fiquemos, por enquanto, cinéfilos fervorosos, com a recordação desta agradável cerimónia de Globos de Ouro.

Lista completa dos vencedores:

Cinema
* Best Picture, Drama: Slumdog Millionaire
* Best Picture, Comedy Musical: Vicky Cristina Barcelona
* Best Director: Danny Boyle, Slumdog Millionaire
* Best Actor, Drama: Mickey Rourke, The Wrestler
* Best Actress, Drama: Kate Winslet, Revolutionary Road
* Best Supporting Actor: Heath Ledger, The Dark Knight
* Best Supporting Actress: Kate Winslet, The Reader
* Best Screenplay: Simon Beaufoy: Slumdog Millionaire
* Best Foreign Language Film: Waltz With Bashir
* Best Animated Feature: WALL·E
* Best Actor, Musical/Comedy: Colin Farrell
* Best Actress, Musical/Comedy: Sally Hawkins, Happy-Go-Lucky
* Best Original Score: A.R. Rahman, Slumdog Millonaire
* Best Original Song: Bruce Springsteen, The Wrestler
* Cecil B. DeMille Award: Steven Spielberg.
Televisão
* Best Comedy Series: 30 Rock* Best Drama Series: Mad Men
* Best Actor, Drama: Gabriel Byrne, In Treatment
* Best Actress, Drama: Anna Paquin, True Blood
* Best Actor, Comedy: Alec Baldwin, 30 Rock
* Best Actress, Comedy: Tina Fey, 30 Rock
* Best Miniseries: John Adams
* Best Actress, Miniseries: Laura Linney, John Adams
* Best Actor, Miniseries: Paul Giamatti, John Adams
* Best Supporting Actor: Tom Wilkinson, John Adams
* Best Supporting Actress: Laura Dern, Recount.

0 comentários: