Rss Feed

BODIES - O Corpo Humano como nunca o viu

Nova Iorque, Londres, Miami, Amesterdão, Washington DC, Coreia do Sul, Seattle, Las Vegas, Pittsburgh, São Paulo, Praga, Cidade do México, e agora… Lisboa. A exposição mais polémica e famosa de todo o mundo chegou a Portugal, mais precisamente ao Palácio dos Condes do Restelo, em Lisboa, onde permanece de Maio a Setembro de 2007.
«Ver é Saber», o mote que deu forma a “BODIES – O Corpo Humano como nunca o viu”, está provado desde que cientistas antigos começaram a observar a natureza para a perceber melhor. É isso que médicos e criadores deste projecto acreditam que terá um efeito positivo nos seus visitantes, pedagógica e socialmente. Ao observar espécimes saudáveis, e comparando-os com outros enfermos, as pessoas são educadas de uma forma real e psicológica a obedecer às regras da complexa máquina que é o nosso corpo.
Tudo o que se vê na exposição é real. Todos os corpos chineses foram preservados para parar a sua decomposição, dissecados, posteriormente imersos em acetona para evacuar toda a água do corpo e, já desidratados, colocados num banho de polímero de silicone, que os endureceu com a cura. Assim, os espécimes ficaram preservados permanentemente, intactos, prontos para serem observados e estudados.
A grande polémica aquando da sua chegada a Portugal ocorreu devido a rumores de que os corpos utilizados na exposição eram ilegais. Os criadores asseguram que nenhum dos espécimes foi reclamado por familiares, por isso terão sido doados à ciência. Ao todo são 17 os espécimes, num estado de preservação impecável, que compõem a exposição.
Aparentemente, os rumores não afastaram ninguém da exposição. Em 3 meses, as receitas ultrapassaram os 100 000 bilhetes, entre promoções de patrocinadores e visitas de famílias inteiras. Ninguém ficou indiferente à presença de uma das mais importantes exposições de todo o mundo em Portugal.
Nos dois pisos ocupados pela exposição, é possível observar um pouco de cada sistema do nosso corpo: esquelético, muscular, nervoso, circulatório, respiratório, digestivo, reprodutor e urinário. Não só conseguimos observá-los morfologicamente, como também fisiologicamente, através das posições em que os espécimes foram colocados. Cerca de 250 órgãos estão à vista para podermos observar e tirar as nossas próprias conclusões.
À entrada, é possível levar um guia auditivo, complementar às explicações escritas da exposição. Há ainda médicos que estão à disposição dos visitantes para esclarecerem dívidas e darem explicações mais concretas. À entrada para algumas salas, cartazes avisam os visitantes mais sensíveis do que estão prestes a ver, dando-lhes a possibilidade de passar à frente dessas salas. Entre os «objectos» mais curiosos encontram-se os pulmões, doentes (devido ao tabaco) e saudáveis; os fígados, doentes (cirrose) e saudáveis; um espécime em vasos sanguíneos; outro cortado sagitalmente; fetos nas diversas etapas do seu crescimento; e muitos outros.
É uma experiência imperdível, tanto para estudantes de Medicina como para o ser humano mais comum. Não há uma única pessoa que saia igual daquela exposição. Todos saímos dali com uma perspectiva diferente sobre o que é o nosso corpo, como funciona e como o devemos respeitar. Alguns até deixam de fumar quando se apercebem do mal que estão a causar aos seus corpos, colocando os maços de tabaco num recipiente existente na sala. Saem diferentes, nem que seja com vontade de despejar o que tinham colocado anteriormente no estômago. Mas a sua perspectiva de encarar a vida muda a partir do momento em que visitam a primeira sala.
Mais de 20 milhões de pessoas já viram exposições semelhantes em todo o mundo. Agora, Lisboa faz parte da história deste projecto inovador, que continuará a atrair visitantes, por onde passar. Em média, são 300 000 as pessoas que visitam cada exposição. Números reais que são significativos se imaginarmos essas 300 000 pessoas a sair da exposição pedagogicamente mais saudáveis.
Nenhum livro nem nenhuma pessoa conseguem oferecer a perspectiva que esta exposição oferece. Uma imagem vale mais do que mil palavras…
É a maneira mais interactiva e fácil de educar as pessoas para as suas vidas… A única maneira de perceberem que o corpo humano é uma máquina muito mais complexa do que as que nos rodeiam hoje em dia. Conhecer a anatomia humana é conhecer-nos a nós próprios, para podermos viver melhor. Muitos ficaram com o desejo de seguir medicina, outros nem por isso. Mas todos aprenderam a conhecer os seus corpos, e a saber cuidar melhor deles. “O Corpo Humano como nunca viu”… e como nunca verá se não comprar o bilhete e perder a melhor oportunidade de se conhecer. Vale a pena… mesmo que a ciência não fascine nem interesse. Porque acredito severamente que, com esta exposição, estamos a caminhar para um mundo melhor.

12 comentários:

Anónimo disse...

muito intereçante

assinado: dumbo

Anónimo disse...

Gostei imenso :D
Beijinhos.
Íris

Miguel disse...

Desde já, tenho de te dar os parabéns pelo blog. As tuas criticas.. UaU! São fenomenais.

Também fui ver a exposição e de facto está qualquer coisa de deslumbrante, e deveras interessante.

Sofia Faustino disse...

Excelente!
Fui ao museu e é muito interessante :D
beijinhos
Sofia!

Anónimo disse...

Bem..palavras para que?!

toda a gente sabe que escrever é o teu forte!!!

Parece ser muito interessante!!

bjx ;)

André

Claudia disse...

desde já muito obrigado pelos comentários! :)

e parabéns pelo teu blog! escreves maravilhosamente bem!

http://pensamentoinconstante.blogger.com
http://un-perfect-girl.blogger.com

beijitos

Anónimo disse...

Gostei imenso.

Tens 15 anos? Não parece...

Longo o texto, mas decididamente eficaz e pormenorizado no seu conteudo.

Viagem alucinante sobre o material humano que todos os dias utilizamos para pensar, andar, sentir, ver, cheirar, ouvir... em resumo EXISTIR.

Continua a escrever.

Torna-te uma cibernauta residente e escreve muitas vezes... virei aqui deixar os meus comentarios pois mereces.

Assinado: kit4

Pandora disse...

"Escrever leva-me para outro mundo...onde posso sonhar e ser quem quiser ser... Deixa-me voar por sítios incríveis, e sorrir com as mais pequenas coisas... Faz-me sentir especial e... eu própria. Quando escrevo, abstraio-me do mundo exterior e abraço uma nova aventura, como se tudo começasse de novo... Consigo ver para além das coisas mais simples, para além do imaginário... E vivo para escrever... como sempre viverei.. "



Concordo plenamente ! Vejo neste texto um pouco de mim : )
É bom saber que não sou a única.


beijo

Pandora disse...

Textos (muito) grandes :s

Xavalita!! disse...

Oi raquel, obrigada pelo coment que fizeste. É muito importante para mim saber, aliás ter conhecimento de uma pessoa que partilhe os mesmos sentimentos que eu. Estou-te mesmo muito agradecido, infelizmente, não que seja mesmo uma pena, este blog tem de destino um webfólio. Uma seca do pior. O teu tem como destinoo quê raquel???? Também é uma espécie de webfólio?

Anónimo disse...

Excelente.

DM

Anónimo disse...

Muito bom, Raquel! Vá lá, muda-te para o Sol...será mais fácil ler-te e comentar-te. Já me fazes falta!